quinta-feira, 29 de junho de 2017

Nem tudo são dores

Fui diagnosticata com um Carcinoma infiltrante de tipo não especial G2. O nome è em italiano, porque eu não tô com vontade de procurar o nome certo na net.
De qualquer forma, tem alguns detalhes a mais, que prefiro não colorare aqui. Quem quiser saber mais pode perguntar em privado.
Mas o nome ou os dentale não mudar a coisa... quando você recebe a notìcia, em italiano ou portugues, com ou sem detalhes, a reação è sempre a mesma: "Eu tô com cancer? Não è possivel, alguém se enganou."
Precisa de alguns dias pra ficha cair.
Depois da fase de negação, pra alguns vem a fase da raiva. Pra outros a fase de depressão. Aí voce começa a se perguntar como é que vai ser. O que vai acontecer. No inicio acho que nem todo mundo pensa na morte. Eu só pensava na parte estetica. Mas eu vou falar una coisa pra vocês. È só ourvir a palavra "metastase" pra tudo mudar de perspectiva. Acho que essa palavra é um marco no modo como a gente vive o cancer. Depois dessa palavrinha nada mais de estetica importa e começa uma forma de Vale Tudo. Vale mastectomia, vale perda de cabelo, vale menopausa antecipada, vale engordar 20 quilos. Depois da palavra metastase, tudo muda. A gente muda.
E aí é que começa a vir também coisas Boas. A gente descobre o quanto a gente se ama. Quem não se importa com a gente de verdade some. Mas quem se importa de verdade fica, e se aproxima, e demoniaca amor. Algumas ausencias doem, Algumas pessoas nos decepcionam.
Mas muitas outras nos surpreende.
A gente mesmo se surpreende, porque percebe de repente que tem uma força que não sabíamos ter.
A gente se descobre forte, guerreiro.
E essa è a melhor descoberta, muito mais importante que descobrir que tem um cancer.
Eu costumo dizer que o cancer não dá alternativas: ou voce luta ou voce luta.
Eu comecei a lutar.

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Cancer: la ciliegina sulla torta.

Oi pessoas.
Há um mes atras, exatamente um mes atras, eu fui ao medico pensando que estava com uma alergia ao mamilo.

Quatro horas depois eu saì do hospital con m uma ecografia na mão e um cancer no seio.

Dali pra cà, meu mundo desabou.

domingo, 9 de abril de 2017

Guerra declarada

Era sò o que me faltava! Italiano vir aqui, no meu humilde bloguezinho, me dar liçao de educaçao e moral porque se irritou com esse post aqui:

Como irritar um italiano!

Meu filho, vai passear! Vai procurar um blog italiano pra ler! Ou vai ler a minha historia e saber por que nao posso aceitar certas comidas!

Più di mille commentari di brasiliani, mai una offesa!
Arriva il solito stronzo italiano di turno ed ecco: fa vedere subito la sua 'educazione'.
Fai i cavoli tuoi e lasciami in pace. 

Hunfs.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Gisa: uma mulher de principios que nao se deixa comprar!

Aì a criatura chegou em casa ontem:
- Gisa, me leva no Decatlon?
- O que? Eu? Tà maluco? Voce sabe que eu odeio aquele lugar, e alèm do mais to super cansada!
- Per favore!
- Nao, nao e nao!
- Dai, non essere egoista!
- Mas voce tà louco, mano? Eu nao vou nao, jà falei que to super cansada, nao vou sair de casa hoj...
- Se voce me levar a gente passa na Pitarelo e eu te dou um sapato de pin-up de presente!
- Que horas a gente vai?

Vergonha na cara? Eu?
hehehehehe

beeeijos.

E o sapatinho, ò:


domingo, 16 de outubro de 2016

Lembrei que tenho blog!

Oi pessoas! Fofas, queridas e amadas... que nao abandonam esse botequim atè mesmo quando eu mesma nao lembro mais que ele existe! Amo Voces! 

Entao... eu tarra de boa entendiada aqui, trancada no quarto, sem poder sair de casa e aì... bom, e aì eu lembrei que um dia eu escrevia num blog!
E vim matar as moscas!
 

Seguindo a serie do "Sò acontece comigo"...
Minha tia e prima vieram do Brasil me visitar! Loucura, loucura, loucura! - Sò que nao, sò que nao, sò que nao! - Porque a Gisa pegou uma gripe lascada que virou bronquite e passou a maior parte do tempo na cama, enquanto as visitas passeavam por Venezia e arredores sozinhas.
Depois quando eu digo... che l'universo ce l'ha con me... ninguem acredita!
:P

Bom...
As moscas morreram, as teias de aranha jà foram tiradas...
Entao vou indo.
Pra onde, nao sei.

Arrivederci!

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

O italiano nosso de cada dia

O titulo bem que pode parecer uma tendencia à promiscuidade, mas eu estou falando do idioma italiano... ahahaha #piadabesta

Eh... è um post besta e sem muito sentido. Mas se eu for optar pelo post sèrio, eu vou acabar falando de Batisti (eu nao escrevi antes porque eu estava esperando a poeira baixar), e aì seria um post muito comprido, com fotos do processo, da sentença, etc, etc, etc... ah, e claro, muitos insultos (aos italianos). Entao... vamos ficar com o postinho besta sobre o italiano mesmo nè nao?

Entao que eu tenho cinco anos de Italia, gente. Cinco anos e meio... e eu ainda nao consigo identificar uma "doppia" (dupla) nas palavras italianas. As "doppia" em italiano funcionam como o nosso acento no portugues. Voce tem que dar uma força a mais na letra, como se falasse ela duas vezes. Mas a gente, que è brasileiro, nao é ensinado a diferenciar "p" de "pp" quando criança. Pra gente "p" è "p" e pronto. Nao importa se a gente coloque um "p" ou quarenta "p" em uma palavra, o som de "p" vai ser sempre "p" e pronto! 

O resultado è que brasileiro acaba falando todas as "doppias" como se elas fossem uma sò letra, (com exceçao da minha amiga Fernanda, que por um desses insondàveis mistèrios da natureza nasceu com um dom natural de falar as "doppias" na intensidade correta) e o resultado è um italiano froxo. Sim, froxo. Por que o portugues è muito doce, e o italiano precisa da força das "doppia" pra ficar legal. E è aì a gente f*de tudo, porque a gente junta a doçura do portugues com a falta de força das "doppia" e o italiano pronunciado pela gente (brasileiros e brasileiras) è sempre sem força, frouxo. Meio gay :D

Meu outro terror na lingua italiana è o verbo "ir" (andare, em italiano), que no portugues è auxiliar, mas no italiano nao.
Aì no Brasil a gente diz "eu vou esperar". Aì eu digo em italiano "vado aspettare". E aì os italianos ficam louquinhos porque eles nao sabem se eu vou pra algum lugar (vado) ou se eu ficarei esperando (aspettare), porque pra eles.... se eu VOU a algum lugar, obviamente eu nao estarei ESPERANDO parada. ahahaha che confusione!

Meu ex patrao ficava perdidinho quando eu dizia "Vado aspettare i bimbi" ('vou esperar as crianças'). Quando eu dizia o "vado" ele pensava que eu ia atè a escola... e ficava de boa. Mas aì eu colocava o "aspettare" e ferrava com tudo... porque aì ele nao sabia mais se eu ia buscar elas na escola ou ficar em casa esperando que elas viessem sozinhas! AHAHAHA Loucura, loucura, loucura!!

Mas a coisa mais divertida mesmo para os brasileiros na ITalia è a criaçao do "italianes" ou "portuliano". A gente cria um vocabulario todo nosso, que sò a gente (brasileiro que vive na Italia) entende.

Eh uma mistura de verbo italiano conjugado em portugues, verbo em portugues conjugado em italiano, palavra em portugues terminada com sufixo italiano...  è uma delicia de ver! Os italianos (e os brasileiros que nao moram na Italia) ficam louquinhos, louquinhos.

Um exemplo? "Apalpar". Vamos começar jà dizendo que è uma palavra que nao tem traduçao em italiano. Os dicionarios traduzem "apalpar" como "toccare", mas em portugues tocar è tocar e apalpar è apalpar. Tem uma grande diferença, nè nao meninas? (hohoho)

Entao, mas aì a gente pega o verbo portugues "apalpar" e transforma em italianes, colocando no pobre coitado a primeira conjugaçao em italiano (are) e aì fica "apalpare" e usa a nova palavra pra falar com os italianos... e os pobres coitados nao tem a mìnima ideia do que a gente tà falando! #Shame

E tem aquele momento màgico quando a gente descobre (geralmente no inicio da estadia por aqui) que confusão è "confusione"!

Pronto!! Nesse ponto a gente acha que descobriu o paraiso na terra porque aprendeu que substituindo o "ão" pelo "ione" as palavras viram italiano! 
E aì a gente começa a dizer coisas como "corazione". Sò que "coraçao" em italiano na verdade è "cuore". E a palavra em italiano mais proxima de "corazione" que existe è "colazione"... mas quer dizer "cafè da manha". #Fail.

Ah, e a gente tambem costuma adicionar nossos diminutivos nas palavras em italiano: "cuorizinho", "paurazinha" (medinho), "tempestinha" (tempestadezinha), "scuzinha" (desculpinha). Nessa hora tambem a gente faz os italianos pirarem o cabeçao. Por que assim, usar diminutivo numa palavra pra deixar ela "fofinha" è uma coisa tipicamente brasileira... e eles nunca vao entender por que a gente fala com essa frescura toda!

Mas o pior... o pior è quando a gente liga pro Brasil, começa a falar em portugues e aì no meio de uma frase quase perfeita, vem na cabeça aquela palavra italiana para a qual nao existe traduçao. Aì a gente entra em TILT total e... ou fica horas enchendo a picuinha de quem tà falando com a gente tentando explicar o significado da palavra (e quem tà no Brasil geralmente tà pouco se lixando para o significado de palavras em italiano que eles nunca vao usar); ou simplesmente diz a palavra em italiano sem se dar conta e simplesmente prossegue a conversaçao... falando em italiano, sem ter a minima idèia de que trocou de idioma... 

... Nessa hora todo mundo diz a mesma coisa: "Ai metida!" 
ahahahaha
Tadinha de mim. 
Metida nao, gente! Metida nao! 
"Confusionara"! (*)
 ahahahaha

Bacim pro ceis! (**)
..............................................

(*): Junçao de 'Confusa' com a palavra italiana 'Casinara' (que significa pessoa que faz grande confusao)

(**): Bacim: Junçao de 'Bacio' (que quer dizer beijo), com o diminutivo portugues 'à mineira'
(Beijim) :P

sábado, 2 de novembro de 2013

Freud explica?

Acho que a gente tava de ferias na Venezuela ou algum lugar assim. Era uma floresta tropical e no ali meio da floresta tinha um chalè feito de madeiras velhas e desgastadas, mas cheio de charme.

Eu estava na varanda do chalè, sentada em uma mesa de ferro, vermelha, toda enferrujada e descascada. Na parte de cima ainda dava pra ver o logo "Coca Cola Coke", aquele usado anos 80. Eu olhava a mesa e tentava imaginar de que tipo de bar decadente ela teria vindo.

Acendo um cigarro e fico olhando o Heny pescar, na beira do lago que tem logo abaixo da cabana. De repente, ele joga a vara de pescar pro alto e se joga no lago. Eu penso que ele vai "pescar um peixe com as proprias maos", mas ele fica sò nadando. Quando olho com mais atençao, vejo que no seu encalço vai um jacarè e um tubarao (alguem depois me explica como um tubarao foi parar no lago). Eu grito desesperada, ele escuta, consegue nadar atè a margem do lago, o tubarao desiste e o jacarè sai andando atràs ele, que cai dentro de uma canoa. O Henry fica quietinho e o jacarè fica paradinho sò olhando.

Eu largo tudo, desço desesperada, pego uma pedra enorme que encontro no meio do caminho e quando me aproximo do jacarè, atiro a pedra na cabeça dele. O jacarè vira pro meu lado e se aproxima de mim. Eu fixo o jacarè e fico parada, balançando os braços no alto (porque provavelmente acho que jacarès sao ursos). O Henry levanta da canoa e quando eu penso que ele vem me ajudar, vira as cosas e corre para subir numa numa arvore, onde fica seguro (afinal, jacarès nao sao ursos).

Eu escuto ele sentar no galho da arvore, mas continuo olhando fixamente para os olhos do jacarè. Entao ele diz:

- Brava! Continua a fixa-lo assim que enquanto voce o encarar nos olhos, ele nao vai te atacar.

Eu me recuso a acreditar ele vai ficar sò me olhando virar papa de jacarè, entao viro os olhos para ve-lo e sinto... o jacarè que dà o bote e me "pega" pela cintura. Sinto seus dentoes na barriga, escuto o barulhinho dos ossos quebrando... mas antes de partir eu olho pro Henry mais uma vez... e vejo que ele està sorrindo.

Eu acordo iraaaada! Pra descontar a raiva, dou um chute nas canelas do Henry, que faz "hmmmsme...hmmm...tila" (hmmmpa...hmmm...ra)

Viro de lado e tento pegar no sono novamente. Durmo de novo, mas por um desses insondaveis misterios da natureza eu volto a sonhar com o mesmo lugar. A mesma floresta, mas um pouco diferente, pois anoooos se passaram. 

Eu agora moro ali, em uma especie de Casa de Repouso, hà vinte anos. Mas eu estou morta e sou sò um fantasma. 

Passo meu tempo atormentando os velhinhos que ainda estao lucidos o bastante para entender as peças que prego (sou um fantasma do mal). Eu tinha acabado de fazer um copo de agua voar da mao de um velhinho e cair na cabeça de outro quando ouço a campanhia tocar.

Uma freira vai atender e eu descubro que mortos e vivos partilham do mesmo sentimento: os velhinho e eu vamos atràs da freira e estamos ansiosos... nao recebemos muitas visitas.

A freira abre a porta e o que vemos sao duas crianças: um menino que demonstra ter uns 9 anos e uma menininha de 5. A menininha fica olhando os velhinhos, curiosa, enquanto o menino fixa meus olhos de fantasma. A freira faz eles entrarem sem dizer nada e eles começam a passear pela sala. Eu fico olhando o menino curiosa, sem entender porque ele consegue me ver. Depois de alguns minutos ele vem falar comigo.

- Eu fiz a primeira coisa que voce me pediu. (I see died people all the time...)

Eu fico sò olhando curiosa, porque, cavolo, eu nao me lembro de ter pedido nada.

- Essa è a tua filha, que voce nao conheceu.

Eu fico confusa. Estou mortà hà vinte anos, como posso ter uma filha de cinco?

Eu me a proximo e tento abraça-la, mas "escorrego" e atravesso seu corpo. Entao eu coloco os ouvidos no seu peito e fico escutando seu coraçao bater.

- Temos que ir agora.

Ele a pega pelas maos e começam a caminhar em direçao à porta. Antes de sair, ele se vira e me diz:

- Amanha eu vou fazer a outra coisa que voce me pediu. 

Eu nao tenho ideia do que seja. A noite cai, a manha chega...

Estou tentando derrubar as peças de dominò que um dos velhinhos acabou de enfileirar quando sinto alguma coisa me "sugar". Eh como se tivesse um imenso aspirador de pò ligado que me puxasse, e eu saio voando, de costas. Voo por grande parte da floresta, vejo o lago onde o Henry deixou o jacarè me comer e entao chego na cabana.

Ela està muito mais velha que antes. A mesa continua là... muito mais velha, muito mais descascada, desmondata e apoiada num canto. Agora nao dà mais pra ler "Coca Cola Coke" mas sò "Co...a...o....ke". As pernas nao sao mais vermelhas.

Mas as flores em volta da varanda nao mudaram nada. Nao morreram, nao cresceram. Continuam exatamente como eram no sonho anterior.

Tem muita gente naquela varanda. Pessoas simples, algumas sujas de terra. 
O menino que consegue me ver tambem tà là. Um dos homens segura uma pà. Eu fico parada observando-os e a um certo momento eles começam a se afastar. Eu noto que ali no meio, perto de onde as madeiras do piso foram arrancadas, tem um buraco.

O menino que consegue me ver olha pra mim e diz:

- Aquele è o seu corpo.

Eu voo atè o buraco e vejo o esqueleto. Reconheço o meu cabelo. Olho o esqueleto e vejo que entre as costelas, no lugar onde provavelmente um dia bateu um coraçao, està 'enroscado' um canivete Opinel. O Henry è um dos maiores colecionadores de canivetes Opinel do mundo!

Eu acordo, desta vez assustada. 

Alguem com alguma teoria freudiana pode explicar?




...................
Experimento

Quando eu tinha uns 14 anos eu li um livro sobre sonhos que ensinava um experimento: acordar mais cedo e ficar 5 minutos tentando lembrar os sonhos que tivemos a noite. Ele dizia pra ficar tentando lembrar os detalhes, os cheiros, as sensaçoes, tudo...

O livro dizia que no primeiro dia nao conseguiriamos lembrar de nada, que depois de tres dias jà conseguiriamos lembrar fragmentos de sonhos, que depois de 1 semana jà conseguiriamos lembrar sonhos inteiros e que depois de um mes os sonhos viriam à tona assim que acordassemos, sem precisar mais fazer esforço.

Eu tentei o experimento e foi bem assim que aconteceu!

Mas o experimento tem um preço: depois que o cerebro acostuma a lembrar dos sonhos, eles viram uma especie de praga... eu nao conseguia me concentrar de manha porque ficava lembrando dos sonhos. MAs com o tempo eles pararam de aparecer... mas ainda hoje, se eu acordo no meio de um sonho, consigo lembrar detalhes que nem consigo perceber na vida real.

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Onde guardar o açucar

Entao que depois de mais de 2 meses, hoje è o primeiro dia em que eu tenho uma rotina quase normal. Trabalho de manha (voltei!), baloes à tarde, pausa para descansar a periquita, organizaçao da casa, entrega dos baloes, ir fazer compra.

E eis que eu aprendi uma das verdades ocultas da vida: pior que ir fazer compras com fome è ir fazer compra depois de passar dois meses tendo os outros fazendo compra para voce!

Sò fui perceber a gravidade da situaçao quando eu estava no caixa. Alèm da absurdidade que eu tive que desembolsar, me assustei com a quantidade de sacolas que eu tive que comprar e o tempo que eu levei para empacotar tudo, enquanto a italianada me olhava torto pensando "Essa abestalhada pensa que nao vai poder voltar no mercado nunca mais"

Pois è, e desta vez eles tinham razao. A abestada aqui realmente comprou uma quantidade exagerada de coisas!

Mas o pior...

Sim, gente, se trata de mim, è CLARO que fica pior!

O meu problema è que eu ainda nao entendi que minhas roupas de 56 quilos nao sao adaptas aos meus 49 quilos! E aì... 

...bom, e aì... eu nao sei ao certo quando foi que começou a parada mas, a um dado momento, enquanto eu fazia a compra, um senhor muito gentil veio atè mim e me disse baixinho:

"Moça, a sua saia està caindo"

E foi entao que eu me dei conta da situaçao: minha saia estava, assim, a poucos milimetros acima da piriquita... e meu casaquinho estava a poucos milimetros abaixo do umbigo. 

Neste espaço "desvestido" estava a minha calcinha cor-de-rosa fucsia, que estava por fora da camiseta preta e por fora tambem da meia-fina, tambem preta. Ou seja... Eu tarra linda e sensual!

Mas vamos ao problema do açucar, que foi o motivo inicial do post.

Eu tenho um probrema com açucar quando vou ao mercado. Eu nao posso ve-lo. Eh eu olhar os pacotinhos e me vem um desespero inexplicavel, eu penso: eu nao tenho mais açucar, acabou o açucar, eu preciso de açucar!!

Sò que nao. Eu tenho açucar. Sempre.

Mas aì que hoje eu tive a mesma ziquizira... mas juntou a ziquizira de "vou comprar tudo que eu puder carregar, sabe là Deus quando eu vou poder voltar ao mercado novamente!" e assim eu acabei comprando 4 pacotes de açucar. 

Que burra!

Junta esses 4 pacotes aos outros 2.346 pacotes que eu comprei quando achei que nao tinha mais açucar em casa e... eu nao tenho mais espaço pra guardar tanto açucar!!

Nao cabe mais nos armarios da cozinha, nem no armario da sala.
Açucar nao è como macarrao, nao posso colocar em uma caixa e guardar na garagem! Açucar chama formiga, e as formigas nunca vem sozinhas, elas vem sempre em bandos. Como quando eu tive minha inteira coleçao de pacotinhos de açucar (roubados em bares, avioes e cafès) comidas por formigas. 

A coisa linda era que eu guardava "a coleçao" no guarda-roupa e.... (pausa para voces adivinharem o que foi que aconteceu).

Oh ceus, oh dor, oh vida... onde eu vou colocar tanto açucar?

Tambem exagerei demaaaaais na quantidade de biscoitos. Juntou o desesespero do "comprar tudo que eu puder carregar" com as ofertas alucinantes e... estou com 12 pacotes de biscoitos, que tambem nao tenho onde guardar. 

Oito dos dozes pacotes estao "guardados"  em cima da mesa. Mas esse è um problema temporario, porque daqui a uma semana a Criatura jà vai ter devorado tudo (Criatura se amarra num biscoitim).

Mas quanto ao açucar... sò o Henry usa açucar, no cafè. Mas o Henry nao toma cafè todo dia, entao o açucar-nosso-de-cada-dia leva meeeses para acabar.

Entao por que diabos eu compro tanto açucar?
Cara, eu nao tenho a minima ideia!

.....................................

PS: Dà para ver que agito fantastico està minha vida nè nao? Japao e Filipinas sendo devastados e meu maior pobrema è descobrir onde guardar os meus 24 quilos de açucar! (Sugestoes sao bem-vindas, obrigada)


quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Que burra! ²

Dados os comentarios, tava na cara que era mesmo uma idèia de girico que nao ia funcionar!

E nao funcionou mesmo, nao.

No primeiro dia da "Dieta do Mousse de Maracujà", eu passei o dia inteiro enchendo o panduzao do mesmo e... quando chegou à noite e eu deveria ter a minha principal refeiçao (janta) adivinha o que aconteceu? 

Meu estomago tava super-ultra-mega-embrulhado e eu nao consegui comer NADA!!

Fail.

Desisti da idèia.

No dia seguinte decidi apelar para a comida brasileira: arroz, feijao, bife e fritas. Atè que deu certo, comi muito mais que a comida italiana. E descobri tambem que arroz com feijao dà fome, gente.

Sèrio, mesmo.

Dois dias no "arroz com feijao" e meu enjoo de comida tà melhorando.

Ainda nao to engordando mas... nos ultimos dois dias eu nao acordei mais magra, e è a primeira vez - em dois meses - que isso acontece!  \o/

O Henry continua firme no macarrao.

Eu tomiacabano no arrois.com.fejao!


#comida_brasileira_eu_amo_voce!


terça-feira, 8 de outubro de 2013

Numb

Don't move
Don't talk out-a time,
Don't think
Don't worry, everything's just fine
Just fine.

Don't grab
Don't clutch
Don't hope for too much
Don't breathe
Don't achieve
Don't grieve without leave.

Don't check, just balance on the fence
Don't answer
Don't ask
Don't try and make sense.

Don't whisper
Don't talk
Don't run if you can walk,
Don't cheat, compete
Don't miss the one beat.

Don't travel by train
Don't eat
Don't spill
Don't piss in the drain
Don't make a will.

Don't fill out any forms
Don't compensate
Don't cover
Don't crawl
Don't come around late
Don't hover at the gate

Don't take it on board
Don't fall on your sword
Just play another chord
If you feel you're getting bored

Don't be unhappy
Don't be unkind
It's not that hard
Just try and unwind

Don't change your brand
Don't listen to the band
Don't gape
Don't ape
Don't change your shape
Have another grape

Don't plead
Don't bridle
Don't shackle
Don't grind
Don't curve
Don't swerve
Don't lie, die, serve

Don't theorise, realise, polarise
Chance, dance, dismiss, apologise

Don't spy
Don't lie
Don't try
Imply
Detain
Explain
Start again

Don't triumph
Don't coax
Don't cling
Don't hoax
Don't freak
Peak
Don't leak
Don't speak

Don't project
Don't connect
Protect
Don't expect
Suggest

Don't project
Don't connect
Protect
Don't expect
Suggest

Don't struggle
Don't jerk
Don't collar
Don't work
Don't wish
Don't fish
Don't teach
Don't reach

Don't borrow
Don't break
Don't fence
Don't steal
Don't pass
Don't press
Don't try
Don't feel

Don't touch
Don't dive
Don't suffer
Don't rhyme
Don't fantasise
Don't rise
Don't lie

Don't project
Don't connect
Protect
Don't expect
Suggest

Don't project
Don't connect
Protect
Don't expect
Suggest



By Gisa